quarta-feira, 27 de maio de 2015

Takuhatsu, o treinamento de formação do zen budismo

Quando vi pela primeira vez, aparentemente um monge, tocando um sino na estação de Shinjuku, Tokyo, havia ficado muito curiosa.
O que, quem seria e por quê?
Muito curiosa, tentei chegar perto e conversar, mas ele foi muito arredio, demonstrando não querer conversa. Não insisti, mas fiquei observando.
Depois, alguns rapazes, estrangeiros asiáticos, se aproximaram e conversaram com ele durante aproximadamente 5 minutos.
Curiosa como sempre, fui pesquisar. Não achei muita coisa naquela época, aliás, apenas algo que não me convenceu muito.
Acabei esquecendo do assunto, até que encontrei outro, um estrangeiro, em um desses parques de flores. Nem tentei conversar, mas quando ele olhava para o meu lado, tentava fotografar. 
Percebendo a minha tentativa, ele tentava ocultar o rosto. Mas não perdi a chance de filmar o fato inteiro. Como da outra vez, o monge tocava o sino quando algumas pessoas passavam, que colocavam dinheiro e ele novamente tocava o sino, como forma de agradecimento.
Semana passada vi uma monja em Sakae, Nagoya. Apenas passei por ela, senti apenas não tê-la fotografado.

Esta atividade tem o nome de "takuhatsu", ou seja, mendicância, e faz parte do treinamento de monges da antiga religião indiana e hoje, a ação é realizada por monges do zen budismo. São treinados a buscar pela sua própria manutenção, por alimentação e dinheiro, já que eles não recebem nenhuma remuneração, O treinamento faz parte dos princípios do zen budismo sob aspecto espiritual e da relação com a natureza. Não vou entrar em detalhes por desconhecer os princípios desta filosofia que envolve simplicidade e humildade, porém ampla e complexa. 

O ato da mendicância vem de antigas religiões da India, incluindo budismo e jainismo, ou jinismo.
Havia assistido a um programa de TV japonesa, em que mostravam o treinamento de monges budistas, de outra linhagem e constatei que realmente eles passam por rigoroso treinamento.

Em tempos antigos ou ainda hoje, em pequenas cidades de interior, esses monges visitam empresas e residências, às vezes em grupos, recitando sutras.
A atividade do takuhatsu nem sempre é para a própria manutenção, pode ser para alguma atividade filantrópica, como ajuda a deficientes, e até mesmo para reconstrução de áreas afetadas, em casos de desastre natural.





Dizem também que existem alguns falsos mongens praticando o takuhatsu.
Para reconhecer um verdadeiro monge, caso esteja sozinho, é preciso verificar suas vestes que, via de regra, contém o nome do templo.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Jardim de rosas do Festival de Flores em Tsuruma Kōen, Nagoya

Tsuruma Kōen é um parque localizado em Showa-ku, Nagoya, próximo da estação Tsurumai, da linha do metrô com o mesmo nome, Tsurumai Line.
É o parque mais antigo de Nagoya, fundado em 1909 e famoso pelas cerejeiras. Está selecionado como um dos 100 melhores parques de cerejeiras do Japão. Com toda razão, basta ver as imagens abaixo.
Na época do hanami, com cerca de 1.000 pés de cerejeiras, o amplo espaço se torna pequeno. Quem não consegue reservar o espaço com antecedência, aprecia as cerejeiras mesmo sem estar debaixo delas.
Fonte, torre, dois enormes campos, sendo um de beisebol, casa de chá, memorial. Além disso e, não poderia faltar, lanchonetes e restaurantes. 

É um local aprazível em qualquer época do ano, com muito espaço verde, flores. estátuas. 
Acima, na época das cerejeiras e tulipas.


Ao fundo está o Hospital da Universidade de Nagoya. 
As construções no parque tem estilos japoneses e ocidentais. A fonte, canteiro de flores e o jardim de rosas tem estilo ocidental.
A fonte Funsui-tō é o símbolo do parque. Construído em 1910, foi designada propriedade cultural tangível de Nagoya, em 1986. 

Sōgaku-dō é onde vários eventos são realizados, como shows, concertos e até cerimônias de casamentos. Também construído em 1910, foi demolido em 1934, devido aos riscos que trazia. Foi reconstruído em 1936 e restaurado em 1997.
Nas grades do  Sōgaku-dō, notas musicais de Kimigayo, o hino nacional japonês.
Fusendan é um memorial ao sufrágio universal, para comemorar o sistema eleitoral comum de 1925. O teatro ao ar livre foi doado pelo Chunichi Shimbun em 1928. Juntamente com a fonte Funsui-tō, também foi designado propriedade cultural tangível, em 1986. Nos quadros estão escritos os juramentos em japonês e inglês.
Diariamente é usado pelos aposentados que vão jogar shogi, uma versão japonesa do xadrez.


Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de vegetais, onde realizam exposição de vários materiais ecológicos, consulta, orientação, workshops e reuniões.
Ao redor, um jardim de amostra.
Ainda existem Nagoya City Public Hall, bibioteca e parque infantil.


Kochōgaike, a Lagoa da borboleta, jardim japonês e quiosques ao redor.
Suzuna Bridge.
Sempre em meados do mês de maio a junho, as rosas são a atração principal do parque.
Embora em maio o atrativo sejam as rosas, o festival é chamado Festival das Flores, que inicia em março por ocasião das cerejeiras, continuando com  a florada das tulipas, azaléias, rosas, íris e hortênsias, até agosto. É um festival contínuo de flores durante a primavera.
O jardim de rosas existe desde 1955.
São 1400 pés de rosas, em 120 variedades.
Clique na imagem para ampliar.















Impossível colocar todas as fotos das variedades de rosas, afinal são 120 espécies.
São rosas de todos os tamanhos, cores, textura, algumas dobradas.
São rosas mescladas, tom sobre tom, algumas chegam a parecer quase azulada, além da vermelha quase negra.





End: 466-0064 愛知県名古屋市昭和区鶴舞1
Aichi-ken Nagoya-shi Shōwa-ku Tsurumai 1
De trem, saída 4 na estação Tsurumai, da linha do metrô Tsurumai 
Mapa