sexta-feira, 24 de abril de 2015

Heiwa Kōen, o Parque da Paz de Nagoya

Quando o Japão se candidatou para sediar os Jogos Olímpicos de 1988, Nagoya tinha a intenção de construir um estádio olímpico em uma grande área florestal. Seul foi a vencedora, o plano mudou e o local que era uma imensa floresta, desenvolveu-se, sendo hoje um grande parque familiar com diversos memoriais e um imenso cemitério, denominado Heiwa Kōen, Parque da Paz.
Embora a idéia inicial de falar sobre o Parque Heiwa tivesse sido sobre o hanami, resolvi postar ainda que tardiamente, pela sua importância cultural e pelos fatos históricos e monumentos relacionados às tragédias naturais da região de Nagoya. 
O Parque da Paz de Nagoya, com 147 hectares, está localizado na região montanhosa da cidade, em Chikusa, ao norte do Jardim Zoológico e Botânico Higashiyama.
Com amplo espaço verde, cemitérios, diversos memoriais e lagoa, é famoso pelas 2300 árvores de cerejeiras, ocupando áreas que atravessam avenidas, com praças nomeadas Norte e Sul. Existem ainda árvores de ácer, ciprestes vermelhos e aves vivendo no local.
O grande cemitério é parte da reconstrução do pós-guerra, em que 190.000 túmulos de 278 templos da cidade foram levados ao parque, dispostos e marcados como eram originalmente. No mapa disponível no parque, a localização das lápides estão marcadas por cores.
O estádio olímpico seria construído no lado sul do parque.
Na área de lazer do parque, muito espaço onde se pode fazer churrasco, além de parque infantil e um grande campo.

Um pouco mais a frente, a lagoa Nekogahora, área para pesca.
Ao redor do Nekogahora Ike, muitas cerejeiras da variedade shidarezakura, pendente.
No Heiwa Kōen Hall, inúmeras homenagens representadas por monumentos.
Acima, Monumento Heiwa-dō, como parte do projeto de reconstrução. No interior há uma imagem de Kanzeon Bosatsu, Deusa da Misericórdia, doada pela cidade de Nanjing, ou Nanquim, China, coirmã da cidade de Nagoya.
Abaixo, memorial às vítimas do Tufão da Baía de Ise que, em 26 de setembro de 1959, fez mais de 5000 vítimas.
A área dos memoriais foi caprichosamente construída, com cerejeiras ao redor.
Descendo em direção aos cemitérios está o Niji no to, Porta do arco-íris. A torre de 21m tem este nome por apresentar as cores do arco-íris no vidro localizado no topo, quando o sol bate. No dia do equinócio do outono, a torre tem as arco-íris da base ao topo. 
Ainda existem o memorial aos que doaram seus corpos para estudos, colaborando para avanços da medicina e um centro de bem-estar animal - onde pode-se obter aulas de disciplina, proteção e gestão de cães e gatos - e próximo, plantações de eucaliptos para alimentar koala do Zoológico Higashiyama. 
Há uma torre denominada Aqua Tower,  que é um tubo de abastecimento de água na zona da montanha, construído para reforçar o abastecimento de emergência em caso de desastre.

E finalmente a área do hanami que se desdobram em regiões, simplesmente fantástico. Cada enorme quadra é repleta de cerejeiras por todos os lados. 
Clique na imagem para ampliar.



Atravessando a avenida, cada área tem paisagens diferentes.



Um passeio para conhecer todo o parque demanda horas, por isso vá preparado para andar muito, ao longo deste lugar encantador e cheio de histórias.

Endereço: 〒464-0022 愛知県名古屋市千種区平和公園2丁目
Aichi-ken Nagoya-shi Chikusa Heiwa Kōen 2 chōme
Fone: 052-781-2703
Mapa

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Taxis turísticos e taxi da sorte de Kyoto

No Japão, até os bigorrilhos dos taxis tem desenhos ou formatos fofos. 
Os japoneses utilizam muito objetos, roupas, acessórios do gênero "kawaii", que quer dizer fofos, graciosos.
Os carros não ficam atrás. Mulheres, principalmente as mais jovens, decoram painéis de carros com bichinhos de pelúcia, à venda em diversas lojas, especialmente para esse fim.
Caminhões não fogem à regra, se tiver um espaço, lá estão os bichinhos de pelúcia.
Em taxis, são encontrados desenhos ou formatos graciosos no bigorrilho - dispositivo afixado no teto, geralmente escrito "Taxi" ou o nome da empresa - como este por exemplo:
A maioria das frotas de taxis do Japão pertencem a grandes grupos, que gerem outros serviços como linhas de ônibus, trem e até empresas aéreas, além de transporte de idosos a hospitais, limusines e outros carros elegantes para ocasiões especiais como casamento. Muitas delas estão nos grandes centros e principais destinos turísticos como Tóquio, Kyoto, Osaka, Nagoya, entre outros. Existem também os taxis independentes.
Muitos taxis aceitam cartão de crédito para pagamento.
Kyoto é uma cidade com taxis circulando o dia todo, em qualquer lugar, além dos pontos fixos, estações de trem e terminais de ônibus. Não há dúvida que trens são a melhor opção em um país onde o transporte público é eficiente.
No entanto, compensa muito pegar um taxi em Kyoto, caso esteja em 2 ou mais pessoas, com horário apertado, e não tão longe do local, uma vez que o valor da tarifa mínima gira em torno de 700円. O valor pode ser um pouco menor ou maior, dependendo da empresa e do tipo de veículo. Em torno de 400 metros percorridos, o aumento é de 90円 aproximadamente. No horário entre 22h às 5h da manhã, o acréscimo é de 20 por cento.
Taxi vazio tem este ideograma 空車, sempre em vermelho.

Se andar de carro em Kyoto é altamente estressante - acho que é onde mais se ouve buzinas de carros no Japão -, os taxis, além de confortáveis, é onde encontramos os motoristas educados.
Os motoristas de taxi de Kyoto, na maioria, falam inglês ou tem se esforçado muito; as empresas tem investido oferecendo cursos aos seus funcionários, devido ao grande número de turistas que recebe diariamente. E como já disse em uma postagem, são honestos; você não vai fazer um passeio extra, pelo contrário, conhecedores do trajeto, procuram por rotas menos congestionadas. Caso o trânsito esteja congestionado e não muito longe do local de destino, o motorista ensina o caminho para que prossiga a pé, já que taxi parado acaba saindo mais caro do que em movimento.

Embora os taxis turísticos não sejam exclusividade de Kyoto, sendo possível encontrar em grandes centros e principais locais turísticos do Japão, aproveitei esta postagem para falar deste serviço. 
Existe uma gama de serviços oferecida pelas empresas de taxi, inclusive rota de turismo, que não se restringe a Kyoto.
São diversas empresas que atuam na área; as reservas devem ser feitas antecipadamente no site próprio que estão, na maioria, em japonês. O que você vai precisar, no caso, é de um bom tradutor.
As grandes empresas de taxi oferecem tour guiado em ônibus e taxi.
A forma de cobrança do tour é calculado por hora, com roteiros próprios, seguindo sempre na mesma direção, podendo assim oferecer preço acessível, o que é muito bom para quem deseja um pouco de conforto. O sistema é o mesmo do turismo guiado de ônibus, porém com exclusividade.

MK Taxi


O logo e o bigorrilho dos taxis da MK Taxi é este coração dourado. Apagado tem brilhos brancos, aceso são dourados.
Foto: site MK Taxi

Quem circula por Kyoto, Nagoya, Osaka, Tokyo, deve reconhecer este carro com o bigorrilho em formato de coração: MK Taxi. Todos os carros, pequenos ou vans, bem como a apresentação dos motoristas, são impecáveis. 
No site, em inglês, você poderá obter os >>> roteiros.
Pelo site em japonês, obtenha o >>> roteiro clicando na imagem do destino de sua preferência, cujos >>> valores estão informados de acordo com a quantidade de horas.


Miyako Taxi


Miyako também oferece diversos serviços extras, além de ônibus de turismo e taxista com certificado de guia turístico.Você pode escolher o >>> roteiro, e verificar o >>> valorcobrado pelo número de horas e tipo de carro.

Esses taxis estavam enfileirados no ponto de um templo em Kyoto, que aguardavam a sua vez e o que chamou a atenção foi que todos eles, com exceção de um, tinham figuras no bigorrilho. É aí que vem a curiosidade, o taxi do trevo de 3 folhas, da Yasaka Taxi.

Yasaka Taxi


Tomei este taxi com trevo de 3 folhas. Até então, não conhecia a história deste taxi. 
A Yasaka é um grande grupo, com várias empresas e tem uma história interessante. O emblema é o trevo de 3 folhas, cada folha significa segurança, conforto e confiança.
Por que não um trevo de 4 folhas? Afinal 4 folhas dizem ser sorte. 
Aí entra o fato interessante. Eles possuem 1400 carros, somente 4 veículos tem o trevo de 4 folhas. Se você tiver sorte, mas muita sorte mesmo e conseguir um desses carros, ainda vai receber, no final da corrida, um cartão com a explicação da história do trevo de 4 folhas - conto logo mais - com os seguintes dizeres: あなたに幸運が訪れますように・・・ (Anata ni kōun ga otozuremasu yōni) ou seja "Desejo que você tenha boa sorte".
Num dia chuvoso, um cliente confundiu um pingo de água com uma folha, mostrando ao motorista que naquele carro o trevo estava com 4 folhas. O motorista confirmou a semelhança. A partir daí, a empresa colocou trevo de 4 folhas em apenas 4 carros. Dizem que usar o carro com trevo de 4 folhas traz muita felicidade.
Mas não é só isso, a empresa ainda coloca em apenas 20 de seus carros, nos dias 13 e 14 de fevereiro, o símbolo do trevo na cor rosa, em comemoração ao Valentine's Day.
Pode ser apenas brincadeira ou muita sorte, mas convenhamos que a sacada de marketing é genial.
Quanto ao tour guiado da Yasaka, o roteiro <<< é este. Nos primeiros quadros estão a rota e no último quadro estão as informações do número de horas e valores por tipo de carro.
Planos de tour para >>> verão e outono.

Muitas outras empresas de taxis oferecem serviços de tour guiado no Japão, veja algumas clicando nos links:
- Kyoto >>> Kyoto Sogo 
Rakuto Taxi <<< em japonês e em >>>; inglês
- Kyoto Doi Taxi <<< site em inglês.
- Tour guiado em Tokyo e algumas outras >>> EDS
- Em Hokkaido >>> Yotei Taxi.

Por incrível que pareça, eu estava na estação de Nagoya e vi o taxi com trevo de 4 folhas. A foto saiu tremida, pois quis fotografar rapidamente.
O passageiro desceu e então o taxi ficou na minha frente, quando consegui fotografar. O motorista me viu perto e perguntou se eu desejava fazer uma corrida e, claro, respondi que não, pois ia pegar o trem.
Dizem que a sorte bate só uma vez à nossa porta. Depois que o motorista fechou a porta do taxi, fiquei seriamente pensando se eu tinha deixado escapar, não aceitando a corrida.
Depois que eu li e, para meu alívio, vi que o taxi não era a mesma da Yasaka de Kyoto e sim, da Yutaka Taxi, que pertence ao Green Group, グリーン グループ, de Nagoya, que não tem nada a ver com a história do trevo da sorte :)

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Museu Meiji Mura, Inuyama, Aichi

Se existe um lugar que pode contar através de objetos e construções, a história arquitetônica da "Restauração Meiji" no Japão é o Museu Meiji Mura. 

Restauração Meiji foi o período da modernização do Japão, em que o Imperador Meiji, após a queda do xogunato Tokugawa - contada no filme "O último samurai" - fez mudanças revolucionárias na educação, política, religião, economia, trazendo especialistas de diversas áreas, da Europa e da América do Norte. Foi através dela que, na área da construção, tijolos e pedras passaram a ser utilizados  e outros materiais como aço, cimento e vidro entraram no arquipélago.
A era Meiji compreende os anos 1868 a 1912.

Japão é um país que se destaca pela preservação. 
Nesta era em que o Japão se abriu, surgiram muitas construções em estilos ocidentais e orientais modernizados. No entanto, devido ao desenvolvimento, muitos desses edifícios foram derrubados ou destruídos pelas guerras e visando a preservação nasceu a idéia do Meiji Mura.

Na ânsia da preservação e do entusiasmo de 2 amigos, mais tarde também com a participação do vice-presidente da Nagoya Railroad Company e apoio de muitas outras pessoas nasceu o Meiji Mura, em 1962, tendo sido inaugurado em 18 de março de 1965.
Museu Meiji Mura ou Meiji Village é um parque temático, localizado em Inuyama, Aichi -  próximo ao famoso Castelo de Inuyama e em frente ao lago Iruka - criado para preservar e exibir as arquiteturas da era Meiji. Muitas importantes construções foram para lá realocadas e restauradas.
Quando foi inaugurado contava com apenas 15 edifícios, alguns objetos e uma locomotiva. 
Hoje, o local que ocupa 1 milhão de metros quadrados, é dividido em 5 áreas, com 67 construções que incluem igrejas, pontes, residências oficiais, hospitais, edifícios de palácios e muitas outras, de diversas partes do Japão, em que nove são propriedades culturais importantes e uma propriedade cultural material de Aichi.
Existem folhetos na entrada do Museu, com mapas das 5 áreas, bem como todos edifícios em cada uma delas. É importante carregar consigo, pois ali também consta a localização dos pontos de ônibus e das estações de trem do interior do parque. 
Embora todos tenham aspectos históricos importantes, achei as áreas 4 e 5 as mais interessantes. 
Edifícios, guaritas, farol, pontes ou apenas luminárias fazem parte do museu. A exibição tem início já na entrada do Museu - imagem acima -  do portão que fazia parte de uma escola.
Alguns edifícios contam com guias voluntários, em horários determinados.
Hotel Imperial, uma das mais famosas construções do local.

Postando apenas algumas imagens, pois o número de edificações é grande.
Clique na imagem para ampliar.
Ponte Shin-Ohashi.
Sede do Banco Kawasaki.
Ponte em Arco Tendo


Labirinto
O aviso diz que esta máquina imprime o jornal do dia do seu nascimento, mas não testei.
Muitos edifícios transformaram-se em restaurantes ou lojinhas.
Abaixo, a loja aluga roupas da época para sessão de fotos no local.
Meiji Mura não abriga apenas construções históricas do Japão.
Existem construções do Havai e do Brasil. Casa de imigrantes japoneses, na foto acima, do Havai. Abaixo, construção que foi trazida do Brasil para o Museu Meiji Mura.
Não tinha vento suficiente para mostrar a bandeira, mas reconhecemos onde quer que ela ela esteja.
A casa está localizada na área 5 do Museu, edifício sob número 39.
Trazida da cidade de Registro, interior paulista, a casa que foi do imigrante japonês no Brasil, Sr.Yasuo Kubota, foi construída em 1919. Desmanchada em 1974 e realocada no Meiji Mura em 1975.

No interior da casa, fotos e objetos retratam a imigração japonesa no Brasil:
Igrejas cristãs também foram realocadas no Museu Meiji Mura. A Igreja São João e a Catedral São Francisco Xavier eram de Kyoto. A igreja São Paulo, com o exterior e interior bem contrastantes, foi trazida da província de Nagasaki.
Conheça melhor, o interior das igrejas:
É um dos museus mais visitados e também o maior do Japão. Os jardins que nos encaminham aos edifícios são amplos.




Dizem que é preciso destinar meio-dia para visitá-lo. Eu demorei o dia todo, ou, todo o horário disponível para visitação e, mesmo assim, no final tive que andar mais rápido, antes do encerramento.
O museu conta com serviços de ônibus e trem, com pontos e estações em locais e horários determinados. 
O uso do trem ou ônibus é pago. Pode-se optar pelo ticket com valor incluído para uso desses transportes.
Pontos de ônibus dentro do parque.


Estações de trem dentro do parque.
Um dos meios de locomoção dentro do Museu, modelo trazido de Kyoto.

A locomoção pelo trem dá vistas bonitas.
A máquina de venda de bebidas não constava do mapa, portanto foi criado para harmonizar com o ambiente.
Uma verdadeira cidade não faltaria o koban.
O local tem sido usado para filmagens, devido às construções da época. Muito procurada pelos fotógrafos profissionais e bastante visitado, principalmente na época das cerejeiras e no outono, quando as folhas se transformam.

O ingresso para adultos custa 1600円. 
Uso de trem ou ônibus é pago, mas pode-se optar pelo ingresso com esses valores incluídos para usar livremente.

Os horários de visita variam conforme a época: 
março a outubro, das 9h às 17h
novembro, das 9h às 16h
dezembro a fevereiro, das 10h às 16h.

Endereço: 〒484-0000 愛知県犬山市字内山1番地
Aichi-ken Inuyama-shi Aza Uchiyama 1 banchi
Fone: 0568-67-0314
Mapa