sexta-feira, 31 de julho de 2015

Zōfukuji, Fūrin-tera, o templo dos sinos de vento de Odo-chō, Toyota, Aichi

Odo-chō é um pequeno distrito de Toyota, em Aichi, que tem o som refrescante do verão.
O verão é marcado pela suavidade, sustentabilidade e tradição. 
Os beirais das casas e estabelecimentos comerciais de Odo-chō se enchem dos sinos de vento, cumprimentando os visitantes, nesta época do ano.
Um evento denominado "Yumekake Fūrin", ou "Sonhos Sobre Sinos de Vento", é realizado em meados de julho até o final de agosto. Neste ano de 2015, o festival acontece de 11 de julho a 31 de agosto, das 10h às 20 h.
Bares e restaurantes enfeitam suas fachadas com os sinos de vento, para um lanche ou refeição ao som dos fūrin.

Os fūrin são vendidos nas lojas, onde podemos encontrar nos mais diversos tipos de materiais, modelos e cores.
Clique na imagem para ampliar.

Ao caminhar pela estreita e curta rua que leva até ao templo, os suaves sons produzidos pelos diferentes materiais dos sinos se misturam, dando sempre a refrescante sensação.


A criatividade e variedade dos fūrin estão em Odo-chō.



Sinos de vento de vidro, metais, cerâmicas em diversos formatos, madeira e outros materiais colorem e embelezam a cidade e seus sons suaves e refrescantes encantam os visitantes.
Japan Post tem em sua fachada  sinos em formato de caixa de correio.

Quem quiser escrever um desejo nas tiras de papel, tanzaku, que ficam penduradas no sino, basta ir ao templo denominado Zōfukuji, popularmente conhecido como Fūrin-tera, ou Templo dos sinos de vento, que realiza o festival "Yumekake Fūrin".
As "ema" - que falei nesta postagem <<< clique se não leu - pequenas tabuletas onde se escrevem desejos ou agradecimentos em templos ou santuários, são os fūrin.

No templo, somos atendidos por uma senhora muito simpática e ainda somos agraciados por um delicioso chá gelado.

As cores das tiras de papel dos fūrin do templo tem significados:
Azul = saúde, felicidade
Verde = amizade
Vermelho = amor
Amarelo = prosperidade
Liás = sorte nos estudos
Abaixo, a torre, um dos pontos do festival.
Na abertura do festival, diversas atividades são realizadas. Um desfile é realizado à noite, ao som de flautas e tambores, onde os participantes carregam fūrin, objeto de dedicação do templo.
Veja mais imagens de Odo-chō e o templo, no vídeo:


Endereço do templo Zōfukuji: 〒 444-2846 愛知県豊田市小渡町寺ノ下18-19
Aichi-ken Toyota-shi Odo-chō Teranoshita 18-19
Fone para navi: 0565-68-2615
Mapa

terça-feira, 28 de julho de 2015

Fūrin, os sinos de vento do Japão

Fūrin, são pequenos sinos de vento feitos geralmente de vidro, usados no verão japonês, cujos sons, considerados refrescantes, amenizam o calor.
Como não existiam ventilador ou aparelhos de ar condicionado em tempos antigos, era uma alternativa, além do leque, contra o pegajoso verão japonês.
Dizem que os japoneses sentiam um certo clima frio ao ouvir o som destes sinos. Por isso, tornou-se uma tradição no verão japonês.
Fūrin é escrito com 2 ideogramas 風 (fū) que significa vento e 鈴 (rin) sino.
Com origem na China, que era denominado sentafuku e usado como ferramenta de adivinhação, a partir do som e da direção do vento, foi trazido ao Japão através do budismo. Inicialmente eram feitos de bronze e pendurados em beirais de casas das famílias nobres para afastar maus espíritos; mais tarde, no período Kamakura, eles se popularizaram.
Somente no período Edo surgiram os fūrin feitos de vidro, passando a ser chamados de Edo fūrin, cuja pintura é feita no interior do sino para preservação.
No Japão os sinos tem muitos significados. São usados, principalmente, em templos budistas, como culto a ancestrais e na véspera de Ano Novo;  tocados no altar antes de uma oração, inclusive em santuários xintoístas. 
Como os fortes ventos podem trazer epidemias, os sinos tem o poder de afastá-las.

Esses sinos, vendidos em lojas e, muitas vezes, em barracas de festivais do Japão, contém uma pequena corda para que possam ser penduradas e com uma tira de papel, o tanzaku. 
Além do vidro e metal, são encontrados em diversos materiais como bambus, madeira, porcelana, carvão vegetal. Dependendo do material utilizado os sons podem variar, no entanto, todos eles são considerados refrescantes.
Os japoneses tem buscado diversas alternativas de racionamento de energia e os fūrin - unindo tradição à sustentabilidade - juntamente com as cortinas verdes são muito utilizados.
Ouça o suave e harmonioso som desses sinos:

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Doyō no ushi no hi

Hoje, dia 24 de julho, é o "Doyō no ushi no hi", que escreve como o doyōbi, de sábado, mas não tem esse significado, porém tendo relação com o ushi, ou seja, boi, vaca.
Traduzido ao pé da letra como "Dia do boi do pleno verão", doyō é um período de 18 ou 19 dias que antecede cada estação do ano, seja outono, inverno, primavera ou verão do antigo calendário. Porém, o mais citado e tradicional é o do verão, que serve como prevenção à saúde. 
Ushi (boi, vaca) é usado por ser o segundo signo do zodíaco chinês e também do japonês.

A data é móvel e, neste ano de 2015, hoje, dia 24 de julho. Em alguns anos pode acontecer em dois dias do verão.

A data segue uma crença de comer alimentos que começavam com a letra "u", tais como udon, uri, umeboshi e outros, que fazem bem à saúde e aliviariam o corpo do sufocante calor e alta umidade do verão japonês.
Em meados do fim da era Edo, passaram a comer também "unagi", enguias. 
O proprietário de um restaurante, como marketing, colocou um anúncio na porta do estabelecimento: "Hoje é dia de comer Unagi" (enguia) - que também começa com a letra "u" e desde então, até hoje, restaurantes vendem enguias, sejam fritas, assadas, para todos os gostos, como o prato do Doyō No Ushi no Hi.
As enguias são famosas por ajudar no combate à fadiga do verão e a data tornou-se costume para manter-se saudável nesses terríveis dias do verão japonês.
Apesar do calor, quem teve coragem de andar pelas ruas do Japão, apesar do calor, notou que em alguns restaurantes haviam filas para saborear unagi.