quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Inverno no Monte Gozaisho, Komono, Mie

 Gozaisho Dake, ou Monte Gozaisho, é parte da Cordilheira Suzuka e está localizado em Komono, Mie, na fronteira com a província de Shiga. 
É a mais alta montanha da cordilheira, com 1.212 m de altura.
O acesso pode ser feito através de escalada, para quem aprecia o esporte e, também, pelo teleférico - a partir do Yunoyama Onsen -, obtendo belas vistas, das cidades de Yokkaichi e Ise, além da baía de Ise.
A principal atração do inverno é a neve.
Funcionando desde 1959, um bondinho exclusivo para você e sua família, quando não existem filas, que parte a cada minuto. 
Na volta, dependendo do horário e tamanho da fila, todas as vagas são ocupadas.
As famosas 6 torres de aço indicam a quantos metros se encontra acima do nível do mar e o áudio informa quanto falta para chegar ao topo.
O passeio através do Gozaisho Ropeway, de mais de 2 km, opera das 9h às 16h no inverno (dezembro a março) e custa 2.160円 para adultos, ida e volta. 
Diversas rochas para dar asas à imaginação também podem ser vistas pelo teleférico. Um conjunto parece despencar e leva o nome de Obareiwa e, entre outras, uma delas, considerada obra de arte, é o Jizoiwa.

Também pelo teleférico, um raro animal selvagem, o Kamoshika, Monumento Natural Especial, pode ser visto nas matas da montanha. A figura do kamoshika está estampada nos bondinhos. Esses animias são chamados de serow japoneses são espécies nativas da Âsia. Traduzidos como goral, em português, no Japão são protegidos por lei, pois já estiveram quase em extinção. Os mamíferos habitam locais rochosos de grande elevação, como é o caso de Gozaisho.
Quem não estiver preparado pode alugar acessórios para andar ou esquiar na neve, dispostos na saída do teleférico, no alto da montanha.

Diversos observatórios, acessíveis pelas trilhas, estão pela área. As setas indicam os locais que estão escritos somente em japonês.
Uma das plataformas permite, se o tempo estiver bom, visualizar o Monte Fuji. 
Quando neva a paisagem é maravilhosa e, mesmo depois, os rastros permitem práticas esportivas sob encantadoras imagens. 




Um agradável local para quem tem crianças. Pais e filhos se divertem na neve.




Na única estação de esqui de Mie, existem áreas específicas para principiantes e para os experientes.





Nas imagens acima, área dos principiantes. Abaixo, local dos esquiadores experientes.

O restaurante, que leva o nome de Azalea, tem um menu satisfatório. Com um sistema de autoatendimento de pedido - através de máquinas - o serviço é rápido.
Em alguns fins de semana no final de janeiro e início de fevereiro, as trilhas da montanha recebem iluminação, para que os visitantes possam apreciar uma vista noturna das cidades próximas.

Lojas de lembrancinhas e lanchonetes não faltam no sopé ou no cume da montanha.
O Santuário Ontake ocupa o lugar mais alto da montanha. Próximo ao santuário, uma plataforma de observação dá vistas para Nagoya, Aeroporto Internacional Centrair e aos Alpes do Norte.
Pequena escola, zoológico, diversas plataformas de observação, lazer para adultos e crianças. 
Um passeio de inverno completo para todas as idades e atividades pra quem gosta de esportes como escalada ou trilha ou simplesmente relaxar.
Gozaisho é um convite à volta em outras estações, pelas belezas deslumbrantes no ano todo, para ver as cerejeiras na primavera, seguido pelo tom forte da cor rosa das azaleias, do frescor da montanha e as libélulas vermelhas no verão e dos tons amarelos, laranja e vermelhos do outono,
No final do mês de janeiro, em meio à neve, indícios de breve coloração pelos botões de flores.

Mais novidades sobre o Japão, curta a >>> fanpage.
Alguns eventos no Canal >>> YouTube.
Siga-nos também no Instagram e no Twitter

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Chinowa Kuguri, ritual de purificação semestral

Verão é tempo de inúmeros festivais. 

Nagoshi no harae, também chamado de Natsu harae, Nagoshi shinji ou rokugatsu harae é um ritual de purificação realizado sempre no último dia do mês de junho.
O ritual consiste em purificar pelos pecados cometidos no primeiro semestre do ano, preparando-se para o segundo.
Paralelo ao feriado de Obon, o Chinowa Kuguri é um ritual de purificação, de origem xintoísta, realizado duas vezes por ano, no fim de cada semestre.
O ritual de dezembro leva o nome de Toshi koshi no harae, "Purificação de véspera de Ano Novo"

Os rituais de purificação - semelhante às bênçãos em igrejas cristãs - são muito populares no Japão. 
Sacerdotes são sempre vistos em residências pelo nascimento de uma criança, em terrenos onde se inicia uma construção, ao realizar compra de bens ou em santuários, realizando missas nas idades consideradas perigosas. 
Temizu é um ritual tem o objetivo de retirar as impurezas (ou pecados) ao adentrar em santuário. 
Outros rituais podem ser em forma de exorcismo, aplicando sal, entre outras.
Chinowa Kuguri é um ritual de purificação de tradição milenar, de origem xintoísta.
O intuito desse ritual é afastar os maus espíritos, orar pela longevidade, prevenir doenças e desastres.
A roda de fogo tem o mesmo sentido de purificação, com uma diferença, não sendo necessário passar 3 vezes pelo Wakuguri.
Embora a tradição envolva o final dos meses de julho e dezembro, muitos rituais são realizados depois das datas, coincidindo com festivais de verão, Tanabata ou de Obon. 
Pequenos círculos para os pais que desejam atravessar  seus bebês ou crianças pequenas, na imagem abaixo.
Muitos santuários realizam o ritual do Chinowa Kuguri, no Japão.
O ritual tem regras e significados. 
É preciso fazer reverência antes e passar 3 vezes pelo arco, sendo do centro e virar para a esquerda, depois para a direita e esquerda novamente, como se fosse ou o número 8 deitado. Cada vez que passar pelo arco, se virar à esquerda, deve pisar primeiro com o pé esquerdo e virando à direita, pisar com o pé direito. Só depois da terceira volta é que se segue para o altar, pisando com o pé esquerdo. 

O arco, chamado chigaya, é feito de palha e é baseado em uma mitologia japonesa.
O ritual de junho, que quase se realiza com o obon, não tem o mesmo brilho dos rituais de Ano Novo, mas está se tornando cada vez mais popular.
Na data existe a tradição de saborear o minazuki, doce feito com azuki, uma espécie de feijão japonês.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Tenteko Matsuri, o Festival da Colheita de Nishio, Aichi

Pode parecer mais um festival inusitado do Japão. 
Porém, trata-se de um festival milenar - que era realizado antes do plantio do arroz - para orar por boas colheitas.
Dizem que originou-se através do Daijo-sai, um festival em que o Imperador, após a ascensão ao trono, oferece o primeiro arroz a ser colhido no Santuário de Ise.
Percebi, pelo número de pessoas, que o festival também não é muito conhecido.
O nome Tenteko é uma onomatopéia do som do tambor tocando "ten-te-ko-ten".
Os participantes, vestidos de vermelho, desfilam em uma pequena rua do bairro cercado de arrozais, em direção ao santuário, tocando o tambor, balançando os quadris. 
6 homens vestidos de vermelho, chamados yaku otoko (homens representando infortúnios), desfilam atrás do sacerdote e autoridades, além de monges e sacerdotes de outros templos/santuários. 
Dos 6 yaku otoko, 3 deles carregam uma vassoura. Os demais, além do nabo esculpido em formato de falo presos na cintura, carregam tambor, barril de chá, um prato com vegetais e peixe cru. 
Alguns dizem que o peixe cortado representa a genitália feminina.
Quando chegam ao santuário são recebidos com fogos e os últimos 3 desfilam 3 vezes no pátio do santuário. Em seguida, varrem as cinzas já queimadas, abanando nos presentes. Acreditam que as cinzas sejam amuleto de sorte. 

Depois de retirados os nabos e amarrados no pilar de entrada do santuário, entram no edifício para um curto ritual, onde oram e os fiéis lançam galhos de pinheiros no altar, cujo piso lembra as plantações de arroz.
Para terminar, mochinage aos presentes. De forma organizada, crianças são chamadas, ocasião em que são arremessados mochi (bolinhos de arroz) e pacotinhos de salgadinhos. 
Depois, os idosos e a brincadeira começa quando todos podem participar.
Alguns mochi tem a palavra  "atari", que depois podem ser trocados por lamen, tissue e outros brindes.
Assista ao vídeo;

Em 1957, Tenteko Matsuri foi designado Propriedade Cultural Imaterial de Aichi.
O festival é realizado todos os anos, sempre no dia 3 de janeiro, no santuário Niike Hachiman Jinja, no distrito Niike-cho, de Nishio, em Aichi, perto da estação Fukuchi. 
Endereço: 〒445-0881 愛知県西尾市熱池町神田103
Aichi-ken Nishio-shi Niike-chō Kanda 103


Mais novidades sobre o Japão, curta a >>> fanpage.
Alguns eventos no Canal >>> YouTube.
Siga-nos também no Instagram e no Twitter